A pandemia da COVID-19, como em outras crises de saúde, expõe as desigualdades existentes e afeta desproporcionalmente as pessoas já criminalizadas, marginalizadas e vivendo em situações financeiramente precárias, geralmente fora dos mecanismos de proteção social.

Profissionais do sexo continuam enfrentando criminalização, violência, discriminação e outras formas de violações de direitos humanos, o que contribui para um aumento no risco de adquirir o HIV.