Estatísticas

Esta página reúne um resumo das estatísticas sobre HIV e AIDS, disponíveis nos relatórios do UNAIDS bem como nos informativos mais recentes do Ministério da Saúde (para dados nacionais). Este conteúdo é atualizado de seis em seis meses. Para os dados completos mais recentes disponíveis, visite a página de publicações do UNAIDS Brasil e consulte também a página aids.gov.br para os dados oficiais do Ministério da Saúde.

ESTATÍSTICAS GLOBAIS SOBRE HIV 2021
  • 38,4 milhões [33,9 milhões – 43,8 milhões] de pessoas no mundo viviam com HIV em 2021.
  • 1,5 milhão [1,1 milhão – 2 milhões] pessoas se tornaram recém-infectadas por HIV em 2021.
  • 650 mil [510 mil – 860 mil] pessoas morreram por doenças relacionadas à AIDS em 2021.
  • 28,7 milhões de pessoas estavam acessando a terapia antirretroviral em 2021.
  • 84,2 milhões [64 milhões – 113 milhões] de pessoas foram infectadas por HIV desde o início da epidemia.
  • 40,1 milhões [33,6 milhões – 48,6 milhões] de pessoas morreram por doenças relacionadas à AIDS desde o início da epidemia.
Pessoas vivendo com HIV

Em 2021, havia 38,4 milhões [33,9 milhões – 43,8 milhões] de pessoas vivendo com HIV. Sendo:

  • 36,7 milhões [32,3 milhões – 41,9 milhões] pessoas adultas (idade igual ou superior a 15 anos).
  • 1,7 milhão [1,3 milhão – 2,1 milhões] crianças (de 0 a 14 anos).
  • 54% de todas as pessoas vivendo com HIV eram mulheres e meninas.

85% [75 – 97%] de todas as pessoas vivendo com HIV sabiam do seu status para HIV em 2021.

Cerca de 5,9 milhões de pessoas não sabiam que viviam com HIV em 2021.

Pessoas vivendo com HIV com acesso à terapia antirretroviral

No fim de dezembro de 2021, 28,7 milhões de pessoas estavam acessando a terapia antirretroviral. Em 2010, esse número era de 7,8 milhões.

Em 2021, 75% [66 – 85%] de todas as pessoas vivendo com HIV estavam acessando tratamento.

  • 76% [67 – 87%] de pessoas adultas (com idade igual ou superior a 15 anos) vivendo com HIV tiveram acesso ao tratamento, assim como 52% [42 – 65%] de crianças com idade de 0 a 14 anos.
  • 80% [72 – 91%] de mulheres adultas (com idade igual ou superior a 15 anos) tiveram acesso ao tratamento; entretanto, apenas 70% [61 – 82%] de homens adultos (com idade igual ou superior a 15 anos) tiveram acesso.

81% [63 – 97%] de mulheres grávidas vivendo com HIV tiveram acesso a antirretrovirais para prevenir a transmissão vertical para suas crianças em 2021.

Novas infecções por HIV

As novas infecções por HIV foram reduzidas em 54% desde o pico, em 1996.

  • Em 2021, cerca de 1,5 milhão [1,1 milhão – 2 milhões] de pessoas foram recém-infectadas pelo HIV em comparação às 3,2 milhões [2,4 milhões – 4,3 milhões] em 1996.
  • Mulheres e meninas foram por 49% de todas as pessoas recém-infectadas em 2021. 

Desde 2010, novas infecções pelo HIV diminuíram em 32%, de 2,2 milhões [1,7 milhão – 2,9 milhões] para 1,5 milhão [1 milhão – 2 milhões] em 2021.

  • Neste período, novas infecções por HIV entre crianças diminuíram 52%, de 320 mil [220 mil – 480 mil] em 2010 para 160 mil [110 mil – 230 mil] em 2021. 
Mortes relacionadas à AIDS

Houve redução de 68% de mortes relacionadas à AIDS desde o pico em 2004; e de 52% desde 2010.

  • Em 2021, cerca de 650 mil [510 mil – 860 mil] pessoas morreram por doenças relacionadas à AIDS no mundo, em comparação com 2 milhões [1,6 milhão – 2,7 milhões] de pessoas em 2004 e 1,4 milhão [1,1 milhão – 1,8 milhão] de pessoas em 2010.

Desde 2010, a mortalidade relacionada à AIDS reduziu 57% entre mulheres e meninas e 47% entre homens e meninos. 

Populações-Chave

Em 2021, populações-chave (profissionais do sexo e sua clientela, gays e homens que fazem sexo com outros homens, pessoas que usam drogas injetáveis e pessoas trans) e suas parcerias sexuais contabilizavam 70% das infecções por HIV mundialmente. Sendo:

  • 94% das novas infecções por HIV fora da África Subsaariana estão entre de populações-chave.
  • 51% das novas infecções por HIV na África Subsaariana estão entre populações-chave.

O risco de adquirir HIV é:

  • 35 vezes maior entre pessoas que usam drogas injetáveis do que pessoas adultas que não usam drogas injetáveis.
  • 30 vezes maior para trabalhadoras sexuais do que mulheres não trabalhadoras sexuais.
  • 28 vezes maior entre gays e homens que fazem sexo com outros homens.
  • 14 vezes maior para mulheres transgênero do que mulheres cis.
Mulheres

Toda semana, cerca de 4.900 mulheres jovens de 15 a 24 anos são infectadas por HIV.

  • Na África Subsaariana, seis em cada sete novas infecções entre adolescentes com idade de 15 a 24 anos são entre meninas. Meninas e mulheres jovens de 15 a 24 anos têm duas vezes mais probabilidade de viver com HIV do que os homens jovens.
  • Na África Subsaariana, mulheres e meninas correspondem a 63% de todas as pessoas recém-infectadas por HIV em 2021.
Meta 95 – 95 – 95
  • Em 2021, 85% [75 – 97%] das pessoas vivendo com HIV conheciam seu status sorológico para o HIV.
  • Entre as pessoas que conheciam seus status sorológico para HIV, 88% [78 – >98%] tinham acesso ao tratamento.
  • E entre as pessoas com acesso ao tratamento, 92% [81 – >98%] atingiram supressão viral.
  • De todas as pessoas que vivem com HIV, 85% [75 – 97%] sabiam seu status, entre essas, 75% [66 – 85%] tinham acesso ao tratamento e entre essas, 68% [60 – 78%] atingiram supressão viral em 2021.
Investimentos

No fim de 2021, US$ 21,4 bilhões (na cotação do dólar americano de 2019) estavam disponíveis para a resposta à AIDS em países de baixa e média rendas — cerca de 60% foram de recursos domésticos.

O UNAIDS estima que, em 2025, US$ 29 bilhões (na cotação do dólar americano de 2019) serão necessários para a resposta à AIDS em países de baixa e média rendas, incluindo países considerados anteriormente como alta renda para entrar no caminho certo para acabar com a AIDS como uma ameaça à saúde pública global.

Abaixo, seguem imagens com os dados globais, regionais e tratamentos em 2021.

O resumo informativo completo do Relatório Global 2022 do UNAIDS pode ser conferido aqui.

Se alguma inconsistência for identificada, por favor, enviar mensagem para o e-mail [email protected] com o link da página e a inconsistência encontrada.