Usando as mídias sociais para transformar a resposta ao HIV entre mulheres e meninas

Durante um evento paralelo à 62ª Comissão sobre a Situação da Mulher, líderes políticos, ativistas do movimento de mulheres e grupos de advocacy para o HIV discutiram novas estratégias para engajar mulheres e meninas na resposta à AIDS.

Destacando como a tecnologia e a mídia, em particular as mídias sociais, podem ser usadas para intensificar a liderança das mulheres jovens, os participantes também discutiram sobre como alcançar igualdade de gênero na resposta à AIDS.

Na reunião, foi exibida a campanha #WhatWomenWant  (#OqueAsMulheresQuerem) e como ela usou as mídias sociais na mobilização para a Reunião de Alto Nível da ONU sobre o Fim da AIDS. Como parte da campanha, foi desenvolvida uma série de blogs feministas, como uma plataforma para jovens meninas líderes compartilharem seus conhecimentos e prioridades. Usando grupos do WhatsApp e o Twitter, as jovens foram envolvidas e tiveram acesso às recomendações globais do UNAIDS sobre prevenção abrangente do HIV. A consulta e o compartilhamento nas mídias sociais resultaram no documento: #OQueAsMulheresQuerem: prevenção do HIV que funciona para meninas adolescentes e mulheres jovens.

“Temos uma nova geração de jovens mulheres líderes que usam as mídias sociais na ampliação e integração de uma liderança feminista para garantir resultados sustentáveis ​​e transformadores na resposta à AIDS”, disse Catherine Nyambura, da FEMNET, uma organização regional de feministas africanas no Quênia.

Também durante o evento, chamado Responsabilização em ação: Colocando Mulheres e Meninas e toda sua Diversidade no Centro Através das Novas Mídias Sociais, um novo relatório da Rede ATHENAuma rede global de 70 parceiros em mais de 35 países dedicada à promoção da igualdade de gênero, considerando os direitos humanos e construindo liderança comunitária na resposta ao HIVfoi lançado. #WhatWomenWant: um kit de ferramentas para colocar a responsabilização em ação dá exemplos de como informar e engajar efetivamente mulheres jovens através de ferramentas digitais como WhatsApp, Twitter e Facebook. O relatório também visa trazer uma perspectiva inclusiva de gênero para o desenvolvimento e a implementação de políticas e programas para garantir que as mulheres jovens, incluindo as jovens que vivem com HIV, possam acessar e contribuir com esses processos.

“Estamos buscando ferramentas e tecnologias digitais para evoluir no monitoramento e na responsabilização da resposta à AIDS. Agora nossa experiência pode ser compartilhada globalmente e em tempo real, abrindo um novo mundo de possibilidades para aprendermos juntos”, disse Tyler Crone, da Rede ATHENA.

“O UNAIDS dá boas-vindas ao foco fortalecido na responsabilização gerada pela campanha #OqueAsMulheresQuerem. Juntos, estamos comprometidos em trabalhar para melhorar a participação significativa das mulheres, com foco em tornar os direitos humanos e a igualdade de gênero em realidade em todos os níveis da resposta à AIDS”, disse Gunilla Carlsson, Diretora Executiva Adjunta do UNAIDS.

A reunião, realizada em 19 de março na sede das Nações Unidas em Nova York, foi organizada pelo UNAIDS em parceria com a Rede ATHENA e com os parceiros da campanha #OqueAsMulheresQuerem.

Leia também: