Um ano crucial para a resposta à epidemia de tuberculose

O ano de 2018 é crucial para a comunidade internacional impulsionar o progresso no sentido de acabar com a epidemia de tuberculose (TB) até 2030 como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Em setembro de 2018, os Estados-membros da ONU se encontrarão em Nova York para a Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Tuberculose para mostrar sua liderança política e compromisso de acabar com a tuberculose até 2030. Alguns dos principais desafios na resposta, incluindo a necessidade de equidade e garantia que os grupos vulneráveis ​​tenham acesso aos serviços de TB, serão abordados na Reunião de Alto Nível, assim como a necessidade de disponibilizar o teste e o tratamento da TB nos serviços de atenção primária e a necessidade urgente de mobilização de recursos.

Em preparação para este evento histórico—a primeira Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Tuberculose—líderes de todo o mundo se encontraram em Nova Deli, na Índia, nos dias 14 e 15 de março, para a Conferência Fim da TB.

Muitos líderes globais sobre TB participaram da reunião. J. P. Nadda, Ministro da Índia para a Saúde e o Bem-Estar da Família, disse durante o evento: “Vamos garantir que os compromissos para acabar com a tuberculose sejam cumpridos. O cumprimento das metas exigirá inovações, bem como novas ideias de implementação. A Índia está empenhada em apoiar os países vizinhos na luta contra a doença.”

Em 2016, o déficit estimado de financiamento para os programas de TB era de US$ 2,3 bilhões. Além disso, houve uma queda de US$ 1,2 bilhão nas pesquisas científicas sobre TB. A necessidade urgente de aumentar os investimentos em inovação será destacada na preparação para a Reunião de Alto Nível como parte dos esforços para trazer diagnósticos e tratamentos do século XXI e uma vacina para a resposta à tuberculose.

“Líderes em todo o mundo precisam aproveitar esta oportunidade, assumir compromissos ousados e tomar a decisão de acelerar a resposta para o fim da tuberculose. As ações que seguirão os compromissos deverão ser ousadas e tomadas por Ministérios da Saúde, outros Ministérios, setor privado, sociedade civil e comunidades”, disse Isaac Folorunso Adewole, Ministro da Saúde da Nigéria.

A tuberculose existe há milhares de anos, mas ainda é uma grande crise global de saúde. A Organização Mundial da Saúde estimou que, em 2016, cerca de 1,3 milhão de pessoas morreram devido à tuberculose e que outras 400 mil pessoas vivendo com HIV morreram devido à coinfecção TB / HIV (reportadas globalmente como mortes relacionadas à AIDS).

“Não vamos eliminar a tuberculose com apenas uma abordagem de cima para baixo. Devemos trabalhar juntos para capacitar as comunidades para apoiar a luta contra a TB. Este movimento deve ir muito além da comunidade médica”, disse Soumya Swaminathan, Vice-Diretora Geral da Organização Mundial da Saúde.

As pessoas que vivem com HIV são particularmente afetadas pela tuberculose. Um em cada 10 casos de tuberculose ocorre entre pessoas vivendo com HIV e uma em cada quatro mortes por TB está associada ao HIV. Apesar de ser evitável e curável, a tuberculose foi a nona principal causa de morte em todo o mundo em 2016.

“Muitas pessoas ainda não têm acesso ao tratamento. Precisamos olhar para as estratégias para aumentar o acesso aos cuidados, particularmente para aqueles que estão mais marginalizados e que não têm acesso no momento”, disse Tim Martineau, Diretor Executivo Adjunto do UNAIDS.

O UNAIDS e a Parceria Stop TB têm uma colaboração de longa data, trabalhando em conjunto para defender, monitorar e apoiar programas para pessoas e países afetados pelas epidemias conjuntas globais de TB e HIV. O Conselho da Parceria Stop TB oferece liderança e direção, monitora a implementação de políticas, planos e atividades acordados da Parceria e garante uma coordenação harmoniosa entre os componentes da Parceria Stop TB.

Leia também: