UNAIDS pede a libertação de cinco trabalhadores humanitários detidos na Venezuela

O UNAIDS está profundamente aflito e preocupado com a detenção pela polícia militar dos cidadãos venezuelanos e trabalhadores humanitários Johán León Reyes, Yordy Bermúdez, Layners Gutiérrez Díaz, Alejandro Gómez Di Maggio e Luis Ferrebuz, que são membros da organizaçao não não-governamental Azul Positivo. Os cinco estão presos desde 12 de janeiro de 2021.

“Apelo às autoridades venezuelanas para que libertem da custódia policial os cinco agentes humanitários que trabalham para a ONG Azul Positivo e devolvam o equipamento essencial apreendido no momento da sua detenção”, disse Winnie Byanyima, diretora executiva do UNAIDS. “Uma sociedade civil forte e com poderes desempenha um papel central na prestação de serviços muito necessários às pessoas mais vulneráveis e é fundamental para fazer progresso contra a pandemia do HIV e outras ameaças à saúde na Venezuela.”

A Azul Positivo foi criada em 2004 para atuar na prevenção do HIV no estado de Zulia, na Venezuela. O UNAIDS apoia o trabalho do Azul Positivo há muitos anos e testemunha o impacto positivo de suas contribuições para a comunidade.

O UNAIDS apoia fortemente o pleno empoderamento e engajamento das organizações da sociedade civil na resposta à AIDS e no trabalho humanitário. Espera continuar sua parceria com a comunidade e organizações da sociedade civil na Venezuela, bem como com profissionais do governo, para garantir que todas as pessoas afetadas pelo HIV tenham acesso a serviços de prevenção, tratamento e apoio social para HIV e que tenham seus direitos protegidos.