Mensagem do Dia Mundial contra a AIDS 2019 da diretora executiva do UNAIDS, Winnie Byanyima

Eu acredito em comunidades.

As comunidades fazem a mudança acontecer.

As comunidades são a melhor esperança para acabar com a AIDS porque as lutam contra o HIV desde o início!

À medida que a epidemia se espalhava por nossos países, cidades, vilas, mulheres mantinham comunidades unidas e carregavam o fardo mais pesado dos cuidados com as suas famílias.

Por muito tempo, tínhamos como certo o voluntariado assumido por estas pessoas.

Diante das adversidades, comunidades de homens gays, de profissionais do sexo e pessoas que usam drogas se organizaram para reivindicar seu direito à saúde como cidadãos e cidadãs iguais.

Portanto, sabemos que as comunidades provaram seu valor. Sobre este ponto não há discussão.

Sem a liderança comunitária, 24 milhões de pessoas não estariam em tratamento hoje. Sem as comunidades lideradas por mulheres vivendo com HIV e afetadas pelo vírus, não estaríamos perto de acabar com novas infecções pelo HIV entre crianças, de criar órfãos e de cuidar dos doentes.

Vinte e cinco anos atrás, uma mulher do Burundi chamada Jeanne foi a primeira pessoa a revelar que estava vivendo com HIV. Hoje, Jeanne está exigindo responsabilidade e transparência de líderes e lutando pelo direito à assistência médica.

Pessoas pioneiras como Jeanne se juntaram a líderes mais jovens, como Yana, 20 anos, que nasceu com HIV na Ucrânia. Yana fundou o Teenergizer, um grupo que reúne jovens em toda a Europa Oriental. Em um mundo em que o poder está nas mãos de homens mais idosos, ela quer que seus colegas tenham voz e escolha.

Veja o caso de Fiacre. Ele vive na República Centro-Africana, refugiado pelo conflito junto com milhares de outros. Fiacre vai para uma clínica, atravessando barreiras e postos de controle para coletar medicamentos antirretrovirais para ele e para os membros de um grupo ao qual ele pertence. Sem esse apoio, cada pessoa teria que fazer a jornada perigosa por conta própria. Isto é simplesmente incrível.

Como você pode ver, as comunidades fazem a diferença em todo o mundo.

No entanto, a maneira como a atuação das comunidades está sendo considerada como garantida precisa mudar.

No Dia Mundial contra a AIDS, o UNAIDS saúda as conquistas de ativistas e lideranças comunitárias na resposta ao HIV. Lembramos e honramos todos aqueles que perdemos ao longo do caminho. Os ativistas desafiaram o silêncio e trouxeram serviços capazes de salvar vidas em suas comunidades. Mas as inúmeras contribuições de mulheres e muitas outras pessoas nunca podem substituir a responsabilidade dos governos.

Deixe-me lembrar-lhes, governos comprometidos em que pelo menos 30% dos serviços de HIV tenham liderança comunitária.

Eles também concordaram que 6% de todo o financiamento do HIV vão para a mobilização da comunidade, promovendo os direitos humanos e mudando leis prejudiciais que atuam como barreiras para o fim da AIDS.

Sejamos claros: defender os direitos humanos e desafiar a discriminação, criminalização e estigma é um trabalho arriscado hoje.

Por isso, pedimos aos governos que abram um espaço para que ativistas possam fazer o trabalho que fazem melhor.

Com as comunidades liderando e os governos cumprindo suas promessas, acabaremos com a AIDS.

Winnie Byanyima – Diretora executiva do UNAIDS