10 cidades signatárias da Declaração de Paris reúnem-se para compartilhar experiências e acelerar a resposta ao HIV

A Declaração de Paris para acabar com a epidemia de AIDS nas cidades ganhou impulso político entre os líderes municipais no compromisso com o fim da AIDS e das disparidades no acesso a serviços sociais e de saúde. Até o momento, cerca de 300 cidades e municípios do mundo assinaram a declaração.

Apoiado pela USAID, um projeto conjunto do UNAIDS com a Associação Internacional de Provedores de Atendimento para a Aceleração da Resposta à AIDS foi desenvolvido para fornecer apoio técnico essencial e estratégico a cidades prioritárias com altas taxas de prevalência de HIV para acelerar a resposta à AIDS e cumprir as metas da Declaração de Paris. Dez cidades, representadas por governos locais, organizações da sociedade civil e parceiros, reuniram-se em Joanesburgo, África do Sul, no dia 2 de novembro, para refletir sobre experiências e lições aprendidas durante o primeiro ano de implementação do projeto.

Em todas as 10 cidades, a liderança política da resposta ao HIV foi mobilizada e os departamentos municipais de saúde estão envolvidos ativamente na liderança da resposta ao HIV. Além disso, os projetos estão recebendo apoio de alto nível de governos locais e nacionais, bem como conselhos nacionais de AIDS. Em Yaoundé, Camarões, o projeto proporcionou uma oportunidade para convocar parceiros regularmente, sob a liderança dos sete prefeitos da cidade, para melhorar a coordenação das atividades, abordar possíveis sobreposições e revisar o progresso.

O projeto está contribuindo para a inovação nas cidades. Em Jacarta, na Indonésia, testes conceituais de soluções móveis encontrarm uma abordagem eficaz e relevante para alcançar os jovens. Um aplicativo para smartphones está sendo desenvolvido para alcançar jovens homens gays e outros homens que fazem sexo com homens com mensagens-chave relacionadas a testes de HIV, prevenção e apoio.

“As cidades apresentam suas vantagens únicas para construir uma abordagem multissetorial ao HIV e podem se beneficiar de oportunidades de transformação social associadas a uma resposta forte à AIDS. Equidade, inclusão, resiliência e sustentabilidade não são apenas essenciais para uma estratégia de saúde bem-sucedida, são também fundamentias para a construção de uma cidade próspera,” disse Catherine Sozi, Diretora da Equipe de Apoio Regional do UNAIDS para a África Oriental e Austral.

A sociedade civil está ativamente envolvida nas 10 cidades. Em Kinshasa, na República Democrática do Congo, a sociedade civil participa da implementação do projeto e de reuniões de ativismo social com líderes políticos, autoridades nacionais e outros parceiros sobre questões relacionadas ao estigma, discriminação e direitos humanos. A equipe de Kigali, em Ruanda, destacou o apoio do projeto às atividades de extensão estratégicas para fornecer serviços de HIV a populações-chave, incluindo a distribuição de mais de 10.000 preservativos em três locais diferentes.

“Por meio do projeto de quiosque de preservativos com o governo da cidade, conseguimos alcançar as populações-chave em Kigali,” disse Uwase Nadège, gerente de programas da Kigali Hope Association. “As pessoas que têm acesso a esses serviços confiam em outras pessoas da comunidade. Nós vemos isso como uma maneira de gerar envolvimento significativo com o governo para acelerar a resposta.”

Em Durban e Joanesburgo, na África do Sul, o projeto está recebendo apoio político de alto nível de governos locais e nacionais. O projeto apoiará o estabelecimento de um conselho municipal de AIDS, com o objetivo principal de coordenar a resposta ao HIV em Joanesburgo.

Durban, Jacarta, Joanesburgo, Kigali, Kinshasa, Lusaka, Maputo, Moçambique, Nairobi, Quênia, Windhoek, Namíbia e Iaundê são as primeiras 10 cidades participantes do projeto.

Leia também: