Medindo o progresso dos 10 Compromissos de Aceleração da Resposta até 2020 por meio do Monitoramento Global da AIDS

Na Reunião de Alto Nível das Nações Unidas para Acabar com a AIDS, que aconteceu em 2016, os países se comprometeram a alcançar os 10 Compromissos de Aceleração da Resposta até 2020—uma agenda que visa acabar com a epidemia de AIDS até 2030 como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Para ajudar a garantir que os prazos sejam cumpridos, a Assembléia Geral das Nações Unidas solicitou um relatório anual sobre os progressos alcançados no cumprimento desses 10 compromissos.

O UNAIDS apoia os países na coleta de informações sobre suas respostas nacionais ao HIV através da estrutura do Monitoramento Global da AIDS (GAM)—uma coleção anual de 72 indicadores sobre a resposta ao HIV no país. Esses dados fazem parte do conjunto de dados usado para informar a Assembléia Geral.

Diferente das estimativas epidemiológicas relacionadas ao HIV que os países produzem para gerar os dados sobre a situação da epidemia no país—ou seja, dados para fazer estimativas sobre o número de pessoas vivendo com HIV, mortes relacionadas à AIDS etc. —o GAM coleta informações sobre os programas relacionados ao HIV, incluindo o número de pessoas que vivem com HIV e conhecem seu estado sorológico positivo, pessoas que estão em tratamento para o HIV e sobre estigma e discriminação. Uma lista completa dos indicadores é fornecida nas diretrizes do GAM.

Uma característica marcante da coleta de dados para o GAM e as estimativas epidemiológicas sobre HIV é a velocidade com que as informações são coletadas, enviadas e disseminadas. O UNAIDS distribui as diretrizes do GAM para os países em dezembro. Depois, os países enviam seus dados online até o final de março. Em colaboração com a Organização Mundial da Saúde, o Fundo das Nações Unidas para a Infância e o Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças, os dados são validados e finalizados. As estimativas epidemiológicas sobre HIV são produzidas ao longo do mesmo cronograma, com o software disponibilizado aos países no início de janeiro e as estimativas finais apresentadas pelos países no final de março. A análise dos resultados globais de ambas as coletas de dados é publicada no relatório de meio de ano do UNAIDS e no site AIDSinfo, e, ao final, é relatada à Assembléia Geral das Nações Unidas.

Apesar do cronograma curto, em 2017, um total de 174 países enviaram dados sobre seus indicadores por meio do GAM. A proporção de países que envia dados melhorou de forma constante, de 53% dos países em 2004 para 96% em 2012, embora os relatos tenham caído para 90% em 2017, quando o ciclo de relatórios mudou de bienal para anual. Antes de 2015, o GAM era conhecido como o Relatório de Progresso da Resposta Global à AIDS (GARPR) e foi usado para informar sobre metas globais para a resposta à AIDS nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Coletar as informações certas é um fator importante para garantir que os dados relacionados ao HIV sejam tão precisos quanto possível. Para isso, os indicadores são revisados e ajustados todos os anos, garantindo que as informações sobre as respostas nacionais à AIDS sejam corretas e relevantes. Em 2018, dois novos indicadores—sobre o teste de HIV entre mulheres grávidas e experiências de discriminação relacionada ao HIV em serviços de saúde—foram adicionados, enquanto outros foram modificados.

Os indicadores são cuidadosamente selecionados para garantir a coleta máxima de dados com o menor peso sobre os sistemas de monitoramento dos países e estão alinhados com os indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Os indicadores também são granulares, solicita-se que os países forneçam dados desagregados ao nível das cidades para alguns indicadores.

Olhando para o futuro, a coleta de dados liderada pela comunidade, seja por meio de aplicativos móveis ou observatórios da comunidade, está sendo analisada como ferramenta complementar de coleta de dados para diferentes perspectivas sobre as respostas dos países à AIDS.

O GAM é mais uma ferramenta que o UNAIDS tem para ajudar os países a monitorar e responder às epidemias de HIV e trabalhar para acabar com a AIDS até 2030.

Notícias Relacionadas