Como a compaixão, a visão e a inovação dos EUA podem acabar com a epidemia de AIDS

Nos últimos 15 anos, a visão e a generosidade dos Estados Unidos salvaram milhões de vidas e impediram que a AIDS se tornasse um risco de segurança global. A maioria das 18 milhões de pessoas em tratamento de HIV hoje deve sua vida aos Estados Unidos. Os investimentos americanos estão permitindo que milhões de pessoas vivam vidas saudáveis ​​e contribuam significativamente para suas sociedades e economias.

Tenho testemunhado diretamente a cura e esperança que tem sido a marca do compromisso da América. Há quinze anos, muitos países na África enfrentaram o desespero, com famílias inteiras e comunidades perdidas pela AIDS.

Hoje, eu visito esses mesmos lugares e conheço pessoas vivendo com HIV que estão prosperando. Eu vejo famílias e comunidades inteiras novamente. Vejo uma nova geração de crianças nascidas livres de HIV.

Na verdade, o mundo está significativamente mais perto de eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho, um importante marco estabelecido conjuntamente pelo Governo dos Estados Unidos e o UNAIDS. Desde 2009, as novas infecções por HIV entre crianças diminuíram mais de 80% em alguns dos países mais afetados. A África do Sul, o país com a maior epidemia de AIDS, reduziu as novas infecções entre crianças em 84% desde 2009.

Há também menos órfãos—mães e pais estão vivos e saudáveis ​​por causa do tratamento, permitindo-lhes apoiar os seus filhos para ficarem livres do HIV durante o crescimento. A igreja, com sua grande rede de hospitais em toda a África, está na vanguarda da entrega de medicamentos e programas para comunidades inteiras—transformando vidas, reavivando a esperança.

Prevenir a morte de milhões de pessoas no auge de suas vidas ajudou a proteger uma geração e a criar um mundo mais estável. Vários anos atrás, a ex-Secretária de Estado dos EUA Condoleezza Rice afirmou, ao discursar em Washington, que “onde o desespero persiste, não estamos seguros.” Na África, um continente com enorme potencial econômico, com uma força de trabalho em expansão e educada e uma população jovem em crescimento, é vital acabar com a epidemia de AIDS.

Desde 2002, com apoio bipartidário que une as administrações políticas, a estratégia global dos Estados Unidos contra a AIDS, iniciada pelo presidente George W. Bush e sustentada pelo presidente Barack Obama, produziu resultados sem precedentes. O Congresso Americano defendeu esse trabalho com o Vice-Presidente Pence, o ex-secretário de Estado John Kerry e o ex-senador Bill Frist desempenhando papéis importantes.

O UNAIDS tem atuado ao lado dos Estados Unidos em cada etapa, fornecendo dados críticos sobre a epidemia e apoiando o desenvolvimento de estratégias nacionais com metas claras e mecanismos de relatórios. Defendemos políticas que acelerem o acesso à prevenção e ao tratamento do HIV para pessoas necessitadas. Estamos reunindo governos, empresas e sociedade civil em uma coalizão sem precedentes que fez progressos extraordinários no controle da epidemia.

Nos últimos cinco anos, o Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da AIDS (PEPFAR) ajudou a dobrar o número de pessoas em tratamento do HIV. Aumentou a eficiência, reduziu o custo de entrega, engajou-se com as comunidades e abraçou a diversidade. Os resultados PEPFAR recentemente divulgados mostram que no Malawi, Zâmbia e Zimbabwe a epidemia começa a ficar sob controle.

Os Estados Unidos têm sido pioneiros e apoiadores em inovações e avanços nas ciência essenciais para salvar vidas, e os pesquisadores americanos estão na vanguarda da busca de uma cura e vacina para o HIV.

Foi uma boa notícia que o orçamento de 2017 refletiu a continuação da forte liderança bipartidária dos EUA na resolução da AIDS. Um apoio igualmente forte é fundamental em 2018. Possíveis cortes na assistência internacional e nos programas globais de AIDS nos EUA teriam consequências devastadoras.

Os Estados Unidos não são os únicos a impulsionar o progresso. À medida que a economia mundial cresce, os países estão aumentando cada vez mais seus próprios investimentos na resposta ao HIV. A África do Sul paga em grande parte a sua própria conta, assim como a maioria dos países mais ricos da América Latina e da Ásia. Em 2015, os recursos de países de renda baixa e média representavam 57% do total de recursos disponíveis para a AIDS. Temos de continuar a construir este impulso à medida que avançamos com urgência para alcançar todos os que necessitam.

A oportunidade de acabar com a AIDS é real. No entanto, uma abordagem da resposta sem investimento na aceleração nos custará caro. Mais de 18 milhões de homens, mulheres e crianças vivendo com HIV estão sem tratamento. Devemos acelerar o ritmo da ação e precisaremos de liderança ainda mais forte para ter sucesso. Os próximos quatro anos são cruciais—eles vão determinar se vamos acabar com a epidemia de AIDS ou se ela continuará indefinidamente.

A liderança dos Estados Unidos, que nos trouxe até este ponto, é necessária para terminar o trabalho. O presidente Trump e os líderes de ambos os partidos no Congresso têm uma oportunidade histórica de liderar o mundo para acabar com a AIDS—uma vitória humanitária que antes parecia impossível, mas que está agora ao alcance.

 

Artigo de opinião de Michel Sidibé, Diretor Executivo do UNAIDS e Secretário-Geral Adjunto das Nações Unidas, originalmente publicado em: The Hill

Leia também: