Projeto Viva Melhor Sabendo Jovem Salvador promove testagem de HIV no Festival de Verão  

Como parte das ações do Dezembro Vermelho, voluntários do projeto Viva Melhor Sabendo Jovem Salvador realizaram ações e testagem e prevenção para HIV durante o Festival de Verão de Salvador, nos dias 8 e 9 de dezembro. O projeto é uma iniciativa do UNICEF, implementado em Salvador pelo GAPA Bahia, com apoio do UNAIDS e em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde do município. A ação faz parte do Plano Conjunto da ONU sobre AIDS 2018-2019.

O objetivo da atividade foi atrair e sensibilizar as pessoas que transitaram ou que estavam trabalhando em frente à Arena Fonte Nova, onde ocorreu o festival. Diversas pessoas puderam fazer o teste rápido de HIV (de forma sigilosa) no chamado Test Truck da Prevenção e Testagem do projeto, um trailer que faz alusão ao tradicional food truck.

Além do teste de HIV, os jovens também ofereceram informações sobre outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e distribuíram insumos de prevenção (preservativos e gel lubrificante), além de materiais informativos.

No total, 40 mil pessoas foram ao Festival de Verão de Salvador, que contou com 20 horas de música entre sábado e domingo. O Teste Truck recebeu cerca de 50 pessoas no final de semana da ação.

Gustavo Coutinho, de 22 anos, é estudante de Jornalismo na UNIFACS (Universidade Salvador) e considera a ação muito importante. “Normalmente, aqui em Salvador, a gente só vê esses tipos de ações no Carnaval. Eu achei superlegal porque as próprias pessoas que procuram os jovens pra fazer o teste de HIV são jovens também, e isso já estimula”, diz o estudante. “O projeto tem um toque jovial. Isso já facilita a comunicação e a relação entre as pessoas que procuram o teste de HIV.”

O projeto existe desde 2013 e tem como objetivo contribuir para a aceleração da resposta ao HIV em Salvador, ampliando, especialmente para adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos, acesso ao teste de HIV, incentivo à adesão ao tratamento e o acesso a informações essenciais sobre prevenção.

Salvador é uma das 42 cidades brasileiras signatárias da Declaração de Paris, por meio da qual o município se compromete a alcançar as metas 90-90-90 até 2020: ter 90% das pessoas vivendo com HIV testadas; que destas, 90% estejam em tratamento antirretroviral; e que destas, 90% estejam com carga viral indetectável. As pessoas vivendo com HIV e que estejam com carga viral indetectável, além de garantir uma melhora significativa na qualidade de vida, tornam-se também agentes de prevenção, uma vez que deixam de transmitir o vírus a seus parceiros.

Segundo dados mais recentes do Ministério da Saúde, a taxa de detecção de casos de AIDS em Salvador é de 24,9 para cada 100 mil habitantes, enquanto a taxa nacional é de 18,3 casos por 100 mil habitantes. Em 2016, Salvador a 13ª capital brasileira com maior taxa de detecção de casos de AIDS. Já em 2017, a cidade evoluiu para a 22ª posição, entre 27 capitais.

IV Seminário Posithivamente

Os jovens do projeto Viva Melhor Sabendo Jovem Salvador também participaram do IV Seminário Posithivamente, que teve como tema: ‘Adesão, o caminho possível’. O evento aconteceu no dia 7 de dezembro no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador e foi organizado pelo Serviço de Atenção Especializada e Centro de Testagem e Aconselhamento Marymar Novais, com apoio do UNAIDS, UNICEF, Gapa Bahia e Prefeitura de Salvador.

O UNAIDS apoiou a participação de Daniel Fernandes, jovem vivendo com HIV e criador de conteúdo do canal Prosa Positiva. Desde 201 ele usa as redes sociais para falar sobre sua vivência com o vírus e para fornecer mais informações sobre HIV principalmente aos jovens.

Fernandes, que também participou do projeto Deu Positivo, E Agora?, lançado pelo UNAIDS no Dia Mundial contra a AIDS (1º de dezembro) de 2018, contou sobre esta experiência e sua trajetória com o canal Prosa Posithiva.

“Em 2011, quando fui diagnosticado, não tinha muita informação sobre HIV na internet. Quando encontrava informação sobre o assunto, eram pessoas que relatavam apenas tragédias, mas isso gerava apenas pânico”, lembra o jovem que já havia trabalhado voluntariamente em um Centro de Testagem e que conhecia um pouco sobre o assunto.

A cobertura destas atividades foi feita com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) como parte do Plano Conjunto da ONU sobre AIDS 2018-2019.

Leia também: