Websérie sobre casais sorodiferentes concorre ao Emmy Kids 2017

A novela Malhação – Seu Lugar no Mundo foi indicada ao Emmy Kids 2017 na categoria Digital pela série original Eu Só Quero Amar, produzida e exibida pelo Gshow. O projeto é fruto de uma parceria entre o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), a área de Responsabilidade Social da TV Globo e o Gshow.

O anúncio das nomeações foi feito nesta segunda-feira (16/10), pela Academia Internacional das Artes & Ciências Televisivas. Os vencedores de todas as categorias serão conhecidos no dia 10 de abril de 2018, em uma cerimônia na França. Malhação disputa o prêmio com produções do Japão e da Noruega.

Com roteiro de Filipe Lisboa e Giovana Moraes e direção de Fernando Nipper e Filipe Lisboa, a produção, que mistura documentário e ficção, gira em torno da história do casal sorodiferente Henrique e Camila, interpretados pelos atores Thales Cavalcanti e Manuela Llerena na novela Malhação—Seu Lugar no Mundo. Na série, eles participam de um webdocumentário, ao lado de casais sorodiferentes reais, falando sobre seu relacionamento.Por meio de parceria com a área de Responsabilidade da TV Globo, o UNAIDS prestou consultoria à equipe de Malhação: Seu Lugar no Mundo para apoiar o autor da trama, roteiristas e produtores no refinamento da linguagem e nas sugestões de temas e histórias reais capazes de apoiar as cenas com os personagens envolvidos direta e indiretamente com a questão do HIV.

“A ideia da websérie surgiu de toda discussão que travei com o pessoal do UNAIDS sobre o HIV no Brasil no século XXI. Percebemos que tudo que precisava ser dito seria dito com mais clareza em uma série específica sobre o tema. Foi isso que originou Eu só quero amar”, disse o autor Emanuel Jacobina, que celebrou a indicação e comentou a importância do projeto. “Acho um trabalho muito importante que retomou a discussão sobre o HIV, de esclarecimento sobre a questão da prevenção. Sinto-me honrado e orgulhoso com a indicação. É um projeto que teve um reconhecimento importante, tivemos um vídeo da série apresentado em um seminário da ONU. Independente do resultado do prêmio, fizemos um grande trabalho.”

Evento paralelo do UNAIDS Brasil durante a Reunião de Alto Nível da ONU sobre o Fim da AIDS. Foto: Roman Levchenko/UNAIDS

O caso de sucesso em edutainment (educação com entretenimento) foi apresentado na sede da ONU, em Nova York, em um evento paralelo realizado pelo UNAIDS Brasil durante a Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral da ONU sobre o Fim da AIDS, que aconteceu em junho de 2016. Participaram do encontro a Diretora de Responsabilidade Social da Globo, Beatriz Azeredo, o jovem ator e criador de conteúdo online Gabriel Estrela, do canal Projeto Boa Sorte no Youtube, além de jovens de outros países, autoridades brasileiras e Embaixadores de Boa Vontade do UNAIDS.

Para Georgiana Braga-Orillard, Diretora do UNAIDS no Brasil, foi muito importante fazer a ficção conversar com a realidade. “Um dos pontos de sucesso da websérie foi ter conseguido levar a mensagem de quem vive e convive com HIV em uma linguagem interessante para os adolescentes”, relembra. “Tivemos um personagem jovem vivendo com HIV interagindo com outros jovens, misturando o mundo da novela e o mundo real com mensagens corretas e acessíveis para esse público.”

Gabriel Estrela, jovem vivendo com HIV que também é criador do musical autobiográfico Boa Sorte, foi convidado pelo UNAIDS para participar do processo de quase cinco meses de consultoria à novela Malhação—Seu Lugar no Mundo e das conversas para a concepção do roteiro da websérie Eu Só Quero Amar. Estrela também participou da websérie como um dos personagens, ao representar um trecho de seu musical e ao dar um dos depoimentos de casais sorodiferentes da vida real. Na websérie, o personagem HIV-positivo, Henrique, identifica-se com a história de Gabriel ao assistir à peça. “O sucesso da websérie é uma evidência de que a união da grande mídia com a sociedade civil e organismos internacionais para fazer um trabalho responsável pode nos levar a lugares mais distantes.”

Com apoio do UNAIDS, os roteiristas e diretores da websérie buscaram aprofundar o debate sobre HIV para um público jovem, tendo como ponto central a vida de diversos casais sorodiferentes, desde os desafios no convívio social—como o enfrentamento do estigma e da discriminação—até a vivência de uma sexualidade saudável e bem informada.

A websérie conta com 5 episódios, que podem ser vistos pelo Gshow, a plataforma online voltada exclusivamente a conteúdo de entretenimento da Globo ou pelo Globo Play, a plataforma online de vídeos da rede. De abril a junho de 2016, a websérie havia se consolidado como a terceira série original mais vista da história do Gshow, com mais de 800 mil visualizações, segundo informações da Rede Globo.

Clique aqui e reveja a série!

Com informações do Gshow.

Leia também: