UNAIDS lança versão em português do boletim ‘Olhar para a Igualdade’ sobre direitos, saúde e bem-estar de pessoas LGBTI

Promover a igualdade sexual e de gênero, destacando questões de saúde, violência, cultura, direitos legais e humanos. Este é o objetivo do boletim quinzenal Olhar para a Igualdade (adaptado do original em inglês Equal Eyes), que o UNAIDS Brasil passa a traduzir para o português e a disseminar em suas redes e redes de parceiros a partir deste mês de outubro.

Desde 2014, o boletim quinzenal é produzido pela iniciativa Equal Eyes em colaboração com o UNAIDS e tem se consolidado como importante referência sobre a realidade das comunidades LGBTI e de todos ao redor do planeta que trabalham com advocacy pelos direitos dessas populações.

Com informações cuidadosamente organizadas, colhidas de uma variedade de fontes públicas e privadas, o boletim busca dar aos leitores um panorama sobre os desafios que as pessoas LGBTI enfrentam e as conquistas já alcançadas. “A igualdade vem de várias formas—através de questões políticas, sociais e culturais—e, apesar de tentar apresentar um quadro abrangente, esperamos que a newsletter Olhar para a Igualdade seja usada como um ponto de partida para que os leitores possam se aprofundar nas histórias”, diz a introdução desta primeira edição em português.

“A newsletter é uma maneira informativa de reunir a comunidade LGBTI e alcançar o maior número possível de pessoas, principalmente aquelas que lidam em seu cotidiano com a defesa dos princípios de zero discriminação e do acesso à saúde”, explica Georgiana Braga-Orillard, Diretora do UNAIDS no Brasil. “Ao traduzir esse conteúdo para o português, vamos facilitar a leitura e a busca por informação sobre esses temas no Brasil e em outros países de língua portuguesa.”

Para o idealizador desta compilação quinzenal, Richard Burzynski, Conselheiro Sênior do UNAIDS em Genebra, esta é uma ferramenta importante para que a sociedade civil, profissionais da saúde e da área de direitos e o próprio UNAIDS possam se informar sobre a situação global e promover ações de acordo com cada contexto.

“É importante percebermos que alguns problemas e obstáculos são comuns a vários países, para não dizer, em alguns casos, ao mundo todo”, explica Burzynski, que iniciou seu trabalho como ativista de direitos LGBTI e HIV em 1985 e atua na equipe do UNAIDS há quase uma década. “A razão da existência do boletim Olhar para a Igualdade é exatamente a de mostrar em que ponto estamos e que impacto esses acontecimentos, obstáculos e conquistas, têm sobre a saúde e o bem-estar das pessoas.”

Visita a Brasília

Em visita a Brasília esta semana (17 e 18/10), Burzynski teve a oportunidade de se encontrar com lideranças locais e convidá-las para apoiar a iniciativa de disseminação e construção do boletim. Em um café da manhã realizado no escritório do UNAIDS, na capital federal, ele se encontrou com o Flávio Brebis, Coordenador de Diversidade do Governo do Distrito Federal, e com o ativista Toni Reis, Diretor-Presidente da Aliança Nacional LGBTI e um dos fundadores, em 1992, do Grupo Dignidade, em Curitiba, onde atua até hoje dando especial atenção às políticas de prevenção e combate às infecções  sexualmente transmissíveis (DST), sobretudo ao HIV e à AIDS.

“Esse é um mecanismo muito importante para nosso movimento num momento em que temos voltado nossa atenção cada vez mais à questão do HIV entre jovens, principalmente jovens LGBTI”, disse Reis durante o encontro. “O UNAIDS tem sido um parceiro muito importante porque, assim como nós, tem se empenhado em manter o diálogo com todos os lados em busca de soluções concretas.”

Richard Burzynski, Toni Reis e Flávio Brebis com parte da equipe do UNAIDS Brasil em visita ao escritório em Brasília. Foto: UNAIDS Brasil

Para Flávio Brebis, esse acompanhamento dos acontecimentos ao redor do mundo será um importante instrumento para compreender em que contexto a situação do Brasil se insere. “No Brasil, temos ainda muita dificuldade, por exemplo, de quantificar a violência contra pessoas LGBTI. Ela é feita principalmente pelo noticiário”, explica. “Nesse sentido, quanto mais informações tivermos melhor.”

Burzynski também visitou o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais e encontrou-se com Juliana Machado Givisiez, Chefe da Assessoria de Cooperação Internacional, com Gerson Pereira, Coordenador Geral de Informações Estratégicas e com Gil Casimiro, Responsável pela Coordenação das Ações de Prevenção e Articulação Social do DIAHV.

Georgiana Braga-Orillard, Richard Burzynski, Juliana Givisiez e Gil Casimiro, em visita ao DIAHV. Foto: UNAIDS Brasil

No encontro, Burzynski apresentou o projeto da newsletter Olhar para a Igualdade e ouviu um panorama sobre a situação das populações-chave na resposta à epidemia de AIDS no Brasil. “Neste trabalho conjunto com o escritório do UNAIDS no Brasil, temos recebido igualmente notícias e informações relevantes sobre o que está acontecendo no país e queremos usar essas histórias em nosso boletim quinzenal para mostrar ao mundo esse cenário. O objetivo é promover essa conexão para que possamos aprender uns com os outros”, concluiu.  

10 de outubro de 2017

Todas as edições do boletim Olhar para a Igualdade estarão disponíveis aqui.

Caso queira receber o boletim Olhar para a Igualdade em seu e-mail, envie um e-mail para brazil@unaids.org com com título “Olhar para a Igualidade – INSCRIÇÃO”.

Foto de capa: Toni Reis (ESQ), Richard Burzynski e Georgiana Braga-Orillard (DIR), do UNAIDS, participam de audiência pública sobre bullying homofóbico nas escolas na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.