UNAIDS saúda o anúncio de novo fundo de investimento de 100 mi de dólares dos EUA para aumentar o acesso de populações-chave a serviços de HIV

O UNAIDS saúda o anúncio de um novo fundo de investimento de 100 milhões de dólares pelos Estados Unidos para expandir o acesso aos serviços de HIV entre populações-chave. Este fundo, criado pelo Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Combate à AIDS (PEPFAR), ajudará a eliminar a lacuna entre as pessoas que têm acesso e as pessoas que estão sendo deixadas para trás.

UNAIDS vê com bons olhos foco do investimento na redução do estigma e da discriminação, o empoderamento de lideranças comunitárias na concepção e prestação de serviços e o aumento da qualidade dos dados sobre populações-chave.

As populações-chave – profissionais do sexo, homens gays e outros homens que fazem sexo com homens, pessoas que usam drogas injetáveis, pessoas trans e pessoas privadas de liberdade –  têm direito à saúde e aos direitos humanos e devem ter pleno acesso a prevenção, tratamento, proteção social e serviços legais relacionados ao HIV.

A criação do fundo foi anunciada na Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre o Fim da AIDS. Deborah Birx, Coordenadora Global de AIDS para os Estados Unidos e Representante Especial para Diplomacia da Saúde Global, confirmou o compromisso de seu governo com  a saúde e os direitos humanos das populações-chave.

20160609_PEPFAR_960

Deborah Birx, Coordenadora Global de AIDS dos Estados Unidos e Representante Especial dos Estados Unidos para a Diplomacia da Saúde Global, afirmou o compromisso do governo dos EUA. Foto: UNAIDS

“É inaceitável que as populações-chave ainda enfrentem estigma, discriminação e violência, que impedem o acesso a serviços de HIV de qualidade”, disse a Embaixadora Birx. “O PEPFAR permanece firme e inequivocadamente aliado àss populações-chave, definidas pelo UNAIDS como os homens gays e outros homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, profissionais do sexo, pessoas usam drogas injetáveis e pessoas privadas de liberdade. Estamos profundamente comprometidos em proteger e promover a saúde e direitos humanos dessas populações.”

Além de ser fundamental para acelerar os resultados, essa abordagem inclusiva e plurianual irá ajudar a manter os esforços liderados pela comunidade, incluindo a prestação de serviços e o enfrentamento das barreiras do estigma e da discriminação que impedem as pessoas de terem acesso a serviços essenciais.

“O UNAIDS se solidariza  com todos, especialmente as populações-chave, que são impedidas de usufruir de serviços por causa de quem são ou quem amam”, disse Michel Sidibé, Diretor Executivo do UNAIDS. “Essa iniciativa ambiciosa irá acelerar o ritmo de ação – precisamos que mais atores se juntem a esse movimento e o UNAIDS está pronto para apoiar a implementação.”

A sociedade civil e as populações-chave serão diretamente envolvidas na concepção e na implementação do novo fundo de investimento.

Novos dados divulgados pelo UNAIDS mostram que mais de 90% das novas infecções por HIV na Ásia Central, Europa, América do Norte, Oriente Médio e Norte da África em 2014 aconteceram entre as populações-chave e seus parceiros sexuais. Na região da Ásia e do Pacífico, da América Latina e do Caribe, quase dois terços das novas infecções foram registrados entre pessoas de populações-chave e seus parceiros sexuais. Na África subsaariana, as populações-chave contabilizaram mais de 20% das novas infecções e a prevalência do HIV entre elas  é frequentemente muito  alta.

Populações-chave estão presentes em todas as partes do mundo e dados epidemiológicos mostram que elas são, a nível global, as pessoas com maior risco de contrair HIV:. as pessoas que usam drogas injetáveis têm 24 vezes mais probabilidade de contrair o HIV do que os adultos na população em geral, as profissionais do sexo são 10 vezes mais propensos a adquirir o HIV; . homens que fazem sexo com homens são 24 vezes mais sujeitos a se infectar pelo HIV; as pessoas trans tem 49 vezes mais probabilidade de estar vivendo com o víus; e as pessoas privadas de liberdade, 5 vezes mais do que os adultos na população em geral.

Notícias Relacionadas