Países adotam a Estratégia de Aceleração da Resposta do UNAIDS para dobrar o número de pessoas em tratamento para HIV até 2020

Às vésperas do Dia Mundial de Luta contra a AIDS, o UNAIDS lançou um novo relatório que mostra que os países estão adotando a Aceleração da Resposta para acabar com a AIDS até 2030, como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ao se adaptar a um ambiente global em constantes mudanças e ao maximizar as inovações, os países estão vendo uma maior eficiência e melhores resultados.

O progresso na resposta ao HIV nos últimos 15 anos tem sido extraordinário. Até junho de 2015, o UNAIDS estima que 15,8 milhões de pessoas tinham acesso à terapia antirretroviral, em comparação com 7,5 milhões de pessoas em 2010 e 2,2 milhões de pessoas em 2005.

No final de 2014, o UNAIDS estima que novas infecções pelo HIV tenham caído em 35% desde o pico em 2000, e que as mortes relacionadas com a AIDS tenham caído 42% desde o pico de 2004.

“A cada cinco anos, nós mais que dobramos o número de pessoas em tratamento capaz de salvar vidas. Precisamos fazer isto apenas mais uma vez para parar a epidemia de AIDS e impedir sua retomada”, disse Michel Sidibé, Diretor Executivo do UNAIDS.

 

Essa estratégia de Aceleração da Resposta será fundamental para alcançarmos as metas de tratamento 90-90-90 propostas pelo UNAIDS, garantindo que, até 2020, 90% das pessoas vivendo com HIV estejam diagnosticadas; 90% destas pessoas estejam em tratamento; e que 90% delas tenham a carga viral indetectável.

WAD2015_report_en_part01-01Para acabar com a AIDS como uma ameaça à saúde pública, é necessária uma resposta acelerada e mais focada, utilizando dados melhores para mapear e atingir as pessoas nos locais onde estão ocorrendo mais infecções pelo HIV. Para apoiar os países com esta abordagem, o UNAIDS lançou um novo relatório: Foco no local e na população: Acelerando a Resposta para acabar com a AIDS em 2030. O relatório dá exemplos de mais de 50 comunidades, cidades e países que estão usando abordagens inovadoras para alcançar mais pessoas, com serviços abrangentes de prevenção e tratamento para o HIV.

O relatório demonstra como os países podem redistribuir os recursos para melhorar o acesso a serviços de prevenção e tratamento para o HIV. Com a Aceleração da Resposta (conhecida em inglês como Fast-Track) e os investimentos reforçados, as lacunas serão fechadas mais rapidamente e os recursos utilizados trarão mais resultados. Nesse cenário, a partir de 2020, as necessidades anuais de recursos começarão a cair.

No relatório, o UNAIDS identifica 35 países considerados Fast-Track (que já adotaram a Aceleração da Resposta). Juntos eles respondem por 90% das novas infecções pelo HIV.

Concentrar os esforços no âmbito local e na população, bem como em programas que oferecem o maior impacto vai nos ajudar a colher grandes benefícios em 2030. Até lá, terão sido evitadas: 21 milhões de mortes relacionadas à AIDS; 28 milhões de novas infecções pelo HIV; e 5,9 milhões de novas infecções entre crianças.

Ao adotar a Aceleração da Resposta (Fast Track) proposta pelo UNAIDS por meio de uma liderança forte e de investimentos em nível comunitário, municipal e em locais mais afetados, podemos eliminar a epidemia de AIDS até 2030, como previsto nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Em 2014/2015 estima-se que:

  • 15,8 milhões de pessoas estavam acessando terapia antirretroviral (Junho de 2015)
  • 36,9 milhões [34,3 milhões-41,4 milhões] de pessoas no mundo viviam com HIV (final de 2014)
  • 2 milhões [de 1,9 a 2,2 milhões] de pessoas foram infectadas com HIV (final de 2014)
  • 1,2 milhão [980 000-1,6 milhão] de pessoas morreram de doenças relacionadas à AIDS (final de 2014)

Acesse o comunicado de imprensa completo aqui. 

Leia também: