Pesquisadores e organizações comunitárias compartilham resultados de 64 países sobre vulnerabilidade e prevenção ao HIV

No Dia Mundial contra a AIDS, os primeiros resultados de duas pesquisas realizadas na Europa e na América Latina, dirigidas a homens gays, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens (HSH), que contaram com 202.013 participantes, foram publicados no Atlas de Populações-chave do UNAIDS.

A European MSM Survey 2017 (EMIS 2017) teve 137.358 participantes, está disponível em 33 idiomas e inclui 42 países em toda a Europa, além de Líbano, Israel, Canadá e Filipinas. A Latin American MSM Internet Survey 2018 (LAMIS 2018) está disponível em três idiomas (espanhol, português e holandês) e contou com 64.655 participantes de 18 países.

Os resultados são apresentados em mapas interativos com dados específicos para cada país e incluem vários indicadores sobre a saúde sexual de homens gays e outros HSH, uma população que é fortemente impactada pelo HIV:

  1. acesso a informações específicas sobre HIV e infecções sexualmente transmissíveis (ISTs);
  2. acesso a preservativos gratuitos;
  3. acesso ao teste de HIV;
  4. acesso a profilaxia pré-exposição (PrEP) para prevenir o HIV;
  5. porcentagem de participantes que foram diagnosticados com HIV;
  6. porcentagem de participantes que tiveram penetração anal sem preservativo com um parceiro ocasional de status de HIV desconhecido nos últimos 12 meses;
  7. porcentagem de participantes que revelaram sua orientação sexual a profissionais de saúde nos últimos 12 meses.

A EMIS 2017 foi realizada por pesquisadores da Sigma Research, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres e do Instituto Robert Koch, com outros parceiros do projeto ESTICOM. Este estudo foi financiado pelo Programa Europeu de Saúde (2014-2020).

A LAMIS 2018 foi realizada com parte dos recursos disponibilizados para a EMIS 2017, por pesquisadores da Rede Ibero-Americana de Estudos com Homens Gays, Bissexuais, outros Homens que fazem sexo com Homens (HSH) e Pessoas Trans (Núcleo de Pesquisa em Direitos Humanos e Saúde LGBT+ – Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Escola de Saúde Pública / ESP Saúde – Universidade do Chile; CIISSS – Universidad Peruana Cayetano Heredia, CICS – Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de San Carlos de Guatemala, Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e Centro de Estudos Epidemiológicos sobre ISTs e AIDS da Catalunha) e pesquisadores da Faculdade de Psicologia e Neurociência da Universidade de Maastricht (Holanda), Instituto Robert Koch, Departamento de Epidemiologia das Doenças Infecciosas (Alemanha) e Axel J. Schmidt (coordenador do estudo EMIS 2017).

Os projetos, com o apoio de organizações de base comunitária*, trabalham em conjunto em um esforço de cooperação internacional, que permitiu dados comparáveis ​​pela primeira vez em 64 países e três continentes.

Os relatórios sobre os resultados estão programados para publicação em meados de 2019.

* Na América Latina: FALGTB (AR), Fundación Diversencia y MANODIVERSA (BO), ABGLT (BR), Fundación Savia y APROFA (CH), Asociación Ágora y UNIMINUTO Seccional Bello (CO), CIPAC (CR), Fundación Ecuatoriana Equidad (EC), Fundación Sida y Sociedad (GT), Asociación Kukulcan (HN), Red GayLatino (MX), CEPRESI (NI), Grupo Génesis Panamá + (PA), CIISSS-UPCH (PE), SOMOSGAY (PY), Parea Surinam (SR), Asociación Entre Amigos (SV), Colectivo Ovejas Negras y +VIHdas (UY), Venezuela Igualitaria (VE).