Primeiras-damas da África trabalham para impedir novas infecções por HIV entre crianças

Atualmente, 1,8 milhão de crianças entre 0 e 14 anos vivem com HIV em todo o mundo, e 1,7 milhão destas crianças estão na África. Como parte dos esforços para eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho em todo o continente, a União Africana e a Organização das Primeiras-Damas Africanas contra HIV/AIDS (OAFLA), com o apoio do UNAIDS e parceiros, lançaram a campanha Livres para Brilhar, (página oficial em ingês) no início de 2018.

Agora a campanha está pronta para ser implementada em 42 países africanos, mas precisa urgentemente de financiamento. Para tornar o lançamento possível, a União Africana e a OAFLA realizaram um evento paralelo à 73ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas para ajudar na arrecadação dos recursos necessários.

O lançamento da campanha permitirá que membros da OAFLA se envolvam em atividades comunitárias para ajudar a reduzir o estigma e a discriminação em casa e na comunidade, conscientizar a comunidade sobre a importância da adesão ao tratamento e retenção no cuidado de mulheres grávidas e mulheres que estão amamentando e promover o envolvimento masculino.

Como parte da campanha, as primeiras-damas também potencializarão sua posição única para impactar os formuladores de políticas e agendas para atender melhor às necessidades das mulheres vivendo com HIV—defendendo políticas e leis que desestimulem o estigma e a discriminação com base no estado sorológico para o HIV e para a remoção de taxas financeiras para mulheres grávidas e mulheres que estão amamentando, bem como outras barreiras que limitam o acesso aos serviços de saúde e de HIV.

A sessão foi moderada pela jornalista de rádio e televisão Zeinab Badawi.

CITAÇÕES

“Estamos em um estágio crítico na eliminação de novas infecções entre crianças, particularmente em áreas de emergência, especialmente na África Central e Ocidental. Agradeço ao nosso parceiro fundador, UNAIDS, por seu compromisso inabalável em acabar com a AIDS na África e em todo o mundo.”

Adjoavi Sika Kabore, Primeira-dama de Burkina Faso e Presidente Interina da Organização de Primeiras-damas Africanas Contra HIV/AIDS

“Tudo mudou quando descobri que estava grávida e fiz um teste de HIV. O que era para ser um dos melhores dias da minha vida passou a ser um dos momentos mais odiados. Não houve apoio psicossocial. A organização Mães para Mães foi o elo que faltava e me ensinou como tomar meus remédios e combater o estigma relacionado ao HIV. A melhor coisa é que meu bebê nasceu livre do HIV. Mães para Mães me empoderou e estamos construindo sociedades mais saudáveis. Estamos criando o futuro, uma mãe, um bebê, uma comunidade de cada vez.”

Mãe de Três Crianças e Treinadora da Organização Mães Para Mães, de Khayelitsha, África Do Sul

“A AIDS ainda não acabou. Estamos na reta final, que não é fácil de percorrer. Precisamos ser fortes e assegurar que essa parceria com a Organização das Primeiras-Damas Africanas contra o HIV/AIDS vai acabar com a transmissão vertical do HIV de mãe para filho. Seus esforços serão essencias. ”

Michel Sidibé, Diretor Executivo do UNAIDS

Leia também: