UNAIDS dá boas-vindas ao compromisso do Presidente dos Estados Unidos em acabar com a transmissão do HIV no país até 2030

O UNAIDS dá boas-vindas ao compromisso do Presidente dos Estados Unidos em acabar com a transmissão do HIV no país até 2030. O Presidente fez o anúncio durante seu discurso sobre o Estado da União ao Congresso em 5 de fevereiro de 2019.

“O firme compromisso dos Estados Unidos com a resposta ao HIV e seu apoio ao chamado do UNAIDS para acabar com a AIDS até 2030 salvaram milhões de vidas”, disse Michel Sidibé, Diretor Executivo do UNAIDS. “Eu saúdo o compromisso do Presidente em acabar com a AIDS nos Estados Unidos, que exigirá uma resposta baseada nos direitos humanos para alcançar todas as pessoas vivendo com HIV e em risco de infecção pelo vírus, incluindo as pessoas mais marginalizadas.”

O UNAIDS estima que, em 2015, cerca de 1,2 milhão de pessoas viviam com HIV nos Estados Unidos. A epidemia está principalmente concentrada em ambientes urbanos e afeta desproporcionalmente homens gays e outros homens que fazem sexo com homens e mulheres e homens afro-americanos, hispânicos e latinos, bem como pessoas que usam drogas.

“A contribuição dos Estados Unidos para a resposta global ao HIV, feita por meio do apoio ao Plano de Emergência do Presidente dos EUA para Alívio da AIDS, causou um impacto imenso”, disse Sidibé. “Globalmente, o número de novas infecções por HIV entre crianças diminuiu 35% desde 2010 e 22 milhões de pessoas têm acesso à terapia antirretroviral, salvando milhões de vidas.”

Por meio do Plano de Emergência do Presidente para Alívio da AIDS, os Estados Unidos investiram mais de 80 bilhões de dólares na resposta global ao HIV desde 2003. “É necessário um apoio firme e contínuo dos Estados Unidos à resposta global, pois existe um déficit de 5 bilhões de dólares dos 26 bilhões necessários para uma resposta eficaz ao HIV até 2020”, disse Sidibé.

O UNAIDS aguarda com expectativa os detalhes da nova estratégia dos Estados Unidos sobre o HIV e continuará trabalhando em estreita colaboração com o país para acabar com a AIDS nos Estados Unidos e no mundo.

Foto de capa: Mandel Ngan/Getty

Leia também: