Proteja o gol - UNAIDS

English

Nessa partida, não deixe a AIDS marcar.

  • Zero nova infecção por HIV
  • Zero discriminação
  • Zero morte relacionada à AIDS

Fortaleza celebra o sucesso da Proteja o Gol

15 julho 2014

Capital do Ceará contabiliza bons números da campanha

Na cidade de Fortaleza, a Proteja o Gol encerrou suas atividades no dia 9 de julho e já contabiliza o grande sucesso da campanha – levada adiante durante as Fan Fest da capital cearense em todos os dias em que houve jogos da Copa do Mundo, exceto partidas do Brasil.

“Em média, realizamos 25 testes para detecção do HIV por dia”, diz Adília Linhares, assessora técnica do Núcleo de Prevenção de Doenças e Agravos (Nuprev) da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. “Trabalhamos com vontade e afinco, e vejo de forma muito positiva o empenho de todos os envolvidos na campanha em Fortaleza – uma cidade muito receptiva a esse tipo de iniciativa”, comemora Adília, garantindo que mais de 800 mil pessoas passaram pelas Fan Fest na capital cearense e reiterando que “o resultado é muito positivo”.

De fato, assim como nas outras 11 cidades-sede da Copa do Mundo, em Fortaleza a campanha global do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) e do Ministério da Saúde promoveu ações de prevenção e testagem ao longo da duração do evento – oferecendo testes rápidos e gratuitos para detecção do HIV em um estande montado na Praia de Iracema, na Beira Mar. A campanha também distribuiu preservativos e disseminou informações sobre HIV/AIDS entre residentes e turistas.

A iniciativa Proteja o Gol integra os esforços do UNAIDS rumo à sua grande meta: alcançar a visão de zero nova infecção por HIV, zero discriminação e zero morte relacionada à aids – e é fruto de sua parceria com o Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA), o Ministério da Saúde, a Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República, o Governo da Bahia e a Prefeitura de Salvador. A campanha também conta com o apoio da Embaixada da França; da Foundation for AIDS Research (amfAR); da Editora Abril; do Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge); da Escola Paulista de Propaganda e Marketing (ESPM); e de diversas organizações da sociedade civil.