A campanha australiana sobre HIV destaca a importância da prevenção combinada

Conheça Tom, Dick e Harry. A mais nova campanha da ACON—uma organização de promoção da saúde baseada em Sydney—selecionou homens diferentes que fazem sexo, mas que optam por maneiras distintas de se proteger. A maior organização social australiana de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e interssexuais (LGBTI) pretende, com a campanha, permanecer em sintonia com sua comunidade, redefinindo a prevenção ao HIV.

“Todos nós temos noção do que o sexo seguro significa, mas queríamos refletir o comportamento real entre homens gays e outros homens que fazem sexo com homens”, disse o Diretor da ACON, Nicolas Parkhill.

Sexo mais seguro, atualmente, significa preservativos, profilaxia pré-exposição (PrEP) e uma carga viral indetectável, ou uma mistura dessas três coisas, segundo ele.

Tom, Dick e Harry: maneiras diferentes de se previnir

“O desafio da ACON foi passar de uma imagem comprovada e real de incentivo do uso de preservativos para uma mensagem de prevenção combinada, muito mais complexa”, disse Parkhill.

A campanha também enfatiza a importância de respeitar a escolha do parceiro. “Não se deve apontar o dedo para as pessoas que ainda usam camisinhas”, disse Parkhill. Além disso, ele diz, a mensagem de prevenção combinada conversa tanto com pessoas que são HIV-negativas quanto com pessoas que vivem com HIV.

No vídeo da campanha, três homens explicam como eles praticam sexo mais seguro. Um deles “faz o tempo todo” e opta por preservativos, enquanto outro diz que “faz diariamente”, tomando medicamentos antirretrovirais e permanecendo com uma carga viral indetectável. Um terceiro também “faz todos os dias”, mas medicando-se com uma dose diária de PrEP.

Importância da comunidade no combate ao HIV

Esses cenários são baseados em histórias reais de homens da comunidade LGBTI, que ficaram representadas nas histórias de Tom, Dick e Harry. A campanha #YouChoose (#VocêEscolhe) inclui cartazes, outdoors, vídeos, eventos e materiais para distribuição em clínicas de saúde.

Há mais de 30 anos, o objetivo do ACON é acabar com a transmissão do HIV entre gays e outros homens que fazem sexo com homens, promovendo, assim, a saúde de pessoas LGBTI e de pessoas vivendo com HIV.  A organização é financiada principalmente pelo Governo de Nova Gales do Sul—cuja capital é Sidney—e trabalha em estreita colaboração com autoridades locais de saúde.

“O governo valoriza a voz da comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais para ajudar a definir como deve ser a resposta ao HIV”, disse Parkhill.

“As comunidades precisam estar no centro das iniciativas para o sucesso na prevenção do HIV, e a ACON, na Austrália, está colocando as populações-chave exatamente no centro dessa atenção”, disse Diretor Executivo Adjunto do UNAIDS, Luiz Loures.

Ao engajar a comunidade, a campanha vai além de cartazes em paradas de ônibus, afirma Parkhill. “Estamos construindo um movimento para homens gays, mas também para a comunidade mais ampla de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e interessexuais, que acreditam que podemos deixar o HIV para trás, pois temos a ciência e a tecnologia necessárias para fazê-lo.”
As organizações comunitárias buscam apoio do UNAIDS para liderança e direçionamento. As metas 90-90-90 deram à ACON os recursos políticos necessários, na Austrália, para envolver com os membros do parlamento na reformulação e no reforço de diretrizes para testes, tratamento, cuidados e apoio ao HIV. Isso lhes proporcionou as evidências e as informações necessárias para as bases de sua campanha para acabar com a epidemia de AIDS.