Dia Internacional de Direitos Humanos: UNAIDS defende proteção e promoção dos direitos humanos para todos


O mundo jamais alcançará o fim da epidemia de AIDS sem ações audaciosas para promover os direitos humanos das pessoas deixadas para trás. O estigma e a discriminação com base no estado de saúde, gênero, orientação sexual, dependência de drogas, deficiência e situação de migração e refúgio, entre outros, impedem que pessoas tenham acesso a serviços de prevenção, tratamento, cuidado e apoio ao HIV, que são capazes de salvar vidas.

Em todo o mundo, as desigualdades e a injustiça ameaçam o desenvolvimento sustentável e perpetuam a exclusão social.

“A resposta à AIDS tem demonstrado a importância e a viabilidade de evitar as violações dos direitos humanos que alimentam a epidemia”, disse o Diretor Executivo do UNAIDS, Michel Sidibé. “A voz e a liderança de pessoas vivendo com HIV e populações-chave permanecem essenciais para alcançar o fim da epidemia de AIDS. O UNAIDS defende os direitos dessas pessoas e a participação significativa das comunidades afetadas “.

No Dia Internacional dos Direitos Humanos, o UNAIDS pede que o mundo defenda os direitos dos mais discriminados e marginalizados e que ponha fim ao estigma, à discriminação e às violações dos direitos humanos contra todos.

Saiba mais aqui.