Campanha da ONU combate discriminação e estimula prevenção ao HIV na Rio 2016

Com o término das Olimpíadas se aproximando, uma última onda de abraços passou pela cidade do Rio de Janeiro na quinta-feira (18) para promover o combate ao preconceito e conscientizar brasileiros e estrangeiros sobre a prevenção ao HIV.

Na Praça XV, centro da capital fluminense, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e sua Embaixadora Regional da Boa Vontade para América Latina e Caribe, a jornalista da rede CNN en Español Alejandra Oraa, se juntaram às “Drags da Prevenção” da organização não governamental Grupo Pela Vidda para distribuir mais carinho para o público da Rio 2016.

“Todos nós podemos ser diferentes,
mas temos algo em comum
que é nossa capacidade de amar.”

O encontro foi o último ‘Abraçaço’ da campanha #euAbraço — iniciativa de agências da ONU e do governo que espalhou mensagens de tolerância e disponibilizou preservativos em live sites de transmissão das competições e pontos turísticos do Rio durante os Jogos Olímpicos. Até a próxima segunda-feira (22), a força-tarefa de 88 voluntários continuará com ações menores para mobilizar visitantes e moradores da cidade.

“O fato de estarmos tentando usar o abraço também para eliminar a discriminação e mostrar às pessoas que nós podemos nos abraçar e que todos nós podemos ser diferentes, mas temos algo em comum que é nossa capacidade de amar, eu acho isso maravilhoso”, afirmou Alejandra.

Segundo a Embaixadora, vítimas de preconceito devem se lembrar que elas “são mais fortes” que seu agressores.

“Nós podemos ser quem nós quisermos ser. Nunca deixe ninguém te dizer o contrário. Nunca se sinta desanimado ou sinta que você tem de mudar porque a sociedade ou alguém ou um grupo específico diz que você tem de fazer isso”, disse a jornalista em mensagem para o público LGBTI e outros indivíduos que sofrem discriminação.

A Diretora do UNAIDS no Brasil, Georgiana Braga-Orillard, lembrou que além de celebrar o espírito olímpico de respeito à diversidade, a campanha também incentivou a prática do sexo seguro. “Já foram mais de 400 mil preservativos distribuídos e 200 mil sachês de lubrificante. Isso também foi um sucesso muito grande”, explicou.

“Não tem nada mais brasileiro do que o abraço. A gente viu nas comemorações, nas celebrações e também no apoio aos que não ganharam o ouro, mas que estavam aqui participando”, comentou Georgiana.

De acordo com a Diretora, além do incentivo à prevenção, o UNAIDS quis deixar, com seus gestos de afeto, um legado de tolerância e de inclusão das populações mais vulneráveis à epidemia de AIDS.

Ao longo da campanha, voluntários interpelavam pedestres para pedir um abraço e conversar sobre transmissão do HIV e o preconceito enfrentado por certos segmentos da população.

Entre os itens dos kits distribuídos, estavam não apenas camisinhas e outros produtos de proteção, como também cartilhas explicativas e uma fita métrica — que possui informações sobre tratamento e testagem de HIV, mas serve principalmente para medir os abraços dados.

O tamanho de cada gesto é contabilizado na plataforma Abraçômetro — parte virtual da iniciativa que convida as pessoas a publicar fotos de seus abraços e a bater metas de tamanho total de abraços dados ao longo das Olimpíadas.

Para a drag queen Karina Karão, uma das voluntárias da campanha, é necessário “quebrar o preconceito” que “drag queens” sofrem assim que se preparam e se vestem de mulher. Para ela, os Jogos deram visibilidade positiva para lésbicas, gays, pessoas trans e intersex.

“O pessoal até postou falando que os machistas têm que engolir porque o público GLS tá dominando tudo”, lembrou Karão a respeito dos atletas ganhadores de algumas competições e também de medalhas que são assumidamente LGBTI.

“Mas não é questão de dominar. As pessoas têm que entender que cada um tem sua opção sexual e que elas podem ser quem elas quiserem”, explicou. “Todos podemos ser campeões.”

A #EuAbraço é fruto de uma parceria entre o UNAIDS e o Ministério da Saúde brasileiro e conta com o apoio também do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Durante os Jogos Paralímpicos, a campanha vai retomar suas atividades principalmente na internet, com atividades online que terão a participação do ator e Embaixador de Boa Vontade do UNAIDS, Matheus Solano.

Para mais fotos da campanha #EuAbraço, clique aqui.

 

Foto de capa: UNIC Rio/Pedro Andrade

Fonte: ONU Brasil