Voluntários dão início a treinamento para ações de campanha nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio

Cerca de 30 voluntários se reuniram nesta terça-feira (12/7), na sede do Grupo Pela Vidda-RJ, no centro do Rio, para dar início aos treinamentos para ações que acontecerão durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Prevista para acontecer de forma presencial e pelas redes sociais, a campanha terá como um de seus principais objetivos promover o principio de n.6 da Carta Olímpica – que prega o respeito à diversidade, aos direitos e liberdades não apenas dos atletas, mas de todas as pessoas. Aliado a isso, os voluntários também irão conduzir ações de prevenção e testagem para o HIV.

Realizada pelo UNAIDS em parceria com o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV), a campanha conta com o apoio da União Europeia e de organismos da ONU, como UNFPA e UNESCO. O Grupo Pela Vidda e AHF Brasil, também parceiras da iniciativa, ficarão responsáveis pela mobilização e treinamento dos voluntários que atuarão por quase 30 dias nos Live Sites da Zona Portuária e do Parque de Madureira.

Os chamados Live Sites dos Jogos Rio 2016 são espaços públicos voltados para transmissão de jogos e atividades diversas, mas com acesso aberto a todas as pessoas. Além da Zona Portuária e de Madureira, ações pontuais estão também previstas na Casa Brasil (Pier Mauá) e nas ‘casas’ de países parceiros, nos espaços montados especialmente para as Olimpíadas  espalhados pela cidade do Rio de Janeiro.

No dia 12 de julho, os voluntários receberam orientações de Márcio Villard, do Grupo Pela Vidda, Cristina Pimenta, da Aids Healthcare Foundation (AHF), Salete Saionara Barbosa, do Departamento de DST,AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV) e Daniel de Castro, do UNAIDS. Foto: UNAIDS Brasil

Contexto de inserção da campanha

“Vamos trazer para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos a experiência das ações feitas durante a Copa de Mundo de 2014, dentro da campanha Projeta o Gol, liderada pelo UNAIDS e realizada com diversos parceiros, muitos dos quais também estão juntos desta vez”, disse Marcio Villard, Coordenador de Projetos do Grupo Pela Vidda-RJ. “Mas agora, até em função do contexto atual que temos em nosso país e no mundo, vamos apostar também em outros elementos que vão além da prevenção e da testagem, para poder alcançar e sensibilizar o maior número possível de pessoas e voltar a alimentar esperança e a confiança na humanidade.”

Daniel de Castro, do UNAIDS Brasil, realiza treinamento com Voluntários da campanha que acontecerá nos Jogos Olímpicos. Foto: UNAIDS Brasil

Nos últimos anos, tanto no Brasil quanto ao redor do mundo, uma onda de extremismo e polarização no campo político e das ideias tem provocado violência contra os mais vulneráveis – minorias, pessoas LGBTI, refugiados, pessoas vivendo com HIV – entre outras populações. Na grande maioria das vezes, tais ações não apenas culminam em violações dos direitos humanos como contribuem para alimentar a percepção de que diversas conquistas acumuladas nesta área nas últimas décadas podem estar ameaçadas. Nesse contexto, a campanha surge como um contraponto, promovendo atitudes e sentimentos que reforçam a importância do respeito, da tolerância e da solidariedade.

“Aproveitamos mais uma vez a oportunidade de utilizar o poder de união do esporte para passar mensagens de zero discriminação, ”, conta Georgiana Braga-Orillard, Diretora do UNAIDS no Brasil. “Nossa meta é tocar as pessoas no Rio de Janeiro que estão vivendo as olimpíadas de perto  e também as que estão conectadas  de alguma forma pelas redes sociais, já que contaremos com uma plataforma online com a missão de fazer esta ponte entre o que está acontecendo no Rio e o resto do Brasil e do mundo.”

Além desse primeiro treinamento, os voluntários contarão com outros encontros preparatórios sobre temas relacionados à prevenção, abordagem de público em grandes eventos e sobre os principais objetivos da campanha. Um guia do voluntário também será produzido e usado para além dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, já que a campanha acontecerá em diversos momentos até o final de dezembro.

 

Visitas preparatórias

No início de julho, representantes do UNAIDS e do DDAHV estiveram no Rio para visitar os locais onde a campanha será realizada. Juntamente com o Grupo Pela Vidda, visitaram a região entre a Praça XV e a Praça Mauá, onde será instalada a Pira Olímpica – Live Site Porto Maravilha, ainda em suas obras finais  – e o Parque de Madureira, onde a ONG já faz ações frequentes de mobilização social para prevenção e testagem.

O UNAIDS, o Departamento de DST,AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV), e o Grupo Pela Vidda realizaram reuniões e visitas a locais onde ocorrerão atividades da campanha contra a discriminação e em combate ao HIV nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNAIDS Brasil

“Estes dois pontos específicos contemplam públicos muito diversos e igualmente importantes para as mensagens que queremos passar”, explica Adele Benzaken, Diretora do Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. “A campanha é inclusiva, fala de coisas que são comuns a todas as pessoas, independentemente de sua raça, cor, etnia, orientação sexual, identidade de gênero, religião, ideologia política, classe social, deficiência, nacionalidade e tantos outros elementos. Queremos promover a união e o respeito e estamos confiantes de que quem encontrar com  nossos voluntários não vai resistir ao convite de aderir à ação.”