Adolescentes exigem um envolvimento significativo na resposta à AIDS

O papel central que os adolescentes devem desempenhar na resposta à AIDS foi discutido durante uma consulta de dois dias realizada no final de novembro (25 e 26/11) em Harare, Zimbábue.

Como parte da plataforma All In, os adolescentes de todo o mundo se uniram para identificar maneiras de se engajarem significativamente com os governos, organizações internacionais, sociedade civil e organizações da  juventude.

Os adolescentes enfrentam muitos desafios que impedem o seu envolvimento direto na resposta à AIDS. Devido à idade, os adolescentes são muitas vezes vistos apenas como destinatários dos programas de HIV e não como pessoas envolvidas na concepção, implementação ou avaliação.

Enquanto há evidências crescentes de que a participação da juventude contribui para as políticas e programas eficazes para os jovens, os participantes destacaram a necessidade de se investir em recursos, orientação, capacitação e desenvolvimento de materiais adequados aos adolescentes para apoiá-los na participação ativa nos programas de HIV.20151127_zim_allin_IMG_0255-816

A AIDS é a principal causa de morte de adolescentes na África e a segunda principal causa de morte entre adolescentes no mundo todo. As mortes estão diminuindo em todas as faixas etárias, exceto entre os adolescentes. Enquanto os adolescentes estão entre as populações que estão sendo deixado para trás na redução de novas infecções por HIV e mortes relacionadas com a AIDS, eles também são frequentemente deixados de fora das discussões importantes relacionadas com as políticas e programas que afetam sua saúde e sua vida.

Através de um processo participativo, foi desenvolvido um roteiro para engajamento adolescente. Jovens líderes concordaram que, a fim de assegurar o compromisso, liderança, parceria e responsabilidade para acabar com a epidemia de AIDS, eles devem ser apoiados para organizar e melhor interagir com os principais protagonistas interessados ​​nas políticas, nos programas e na prestação de serviços.

“Não há ninguém além de você e eu, aqui, agora. Vamos fazer com que a nossa geração seja aquela que vai atingir os três zeros: zero nova infecção por HIV, zero morte relacionada à AIDS e zero discriminação.”

– Selina Amuela, Rede de Jovens e Adolescentes da Africa

Além disso, os participantes definiram prioridades de advocacy para mobilizar adolescentes e comunidades de jovens em seus respectivos países, a fim de Acelerar a Resposta à AIDS para adolescentes. As principais prioridades incluem a promoção da igualdade de gênero, da ampliação da testagem, tratamento, cuidados e apoio, bem como de informações e serviços adequados para adolescentes, aumentando o financiamento para adolescentes e programas liderados por jovens.

Descrito como uma agenda para ação coletiva, a All In oferece uma oportunidade para amplificar as iniciativas e investimentos por todas as partes interessadas e abordar os contextos sociais, políticos e jurídicos para garantir que nenhum adolescente seja deixado para trás.

A consulta adolescente All In, realizada em Harare, foi coordenada pelo UNAIDS e pela PACT, em colaboração com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), ONU Mulheres, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

 

Citações

“Este é o momento de ser All in, incluindo a participação do adolescente, não apenas em um encontro pontual, mas em todos os processos, criando espaços para adolescentes e jovens.”

  • Janet Bhila, Y+ e representante jovem do grupo de liderança do All In

“Este é um momento único, onde as, representantes do governo e da sociedade civil, organizações de jovens e adolescentes das Nações Unidas estão concretizando o verdadeiro potencial do envolvimento do adolescente na resposta à AIDS. O que é único sobre essas discussões é que os adolescentes, em sua maioria meninas adolescentes e jovens de populações-chave, estão definindo as suas próprias prioridades e se dando as mãos para dizer que não se pode acabar com a epidemia de AIDS sem a juventude à frente. “

  • Mimi Melles, Oficial Programas para a Juventude, UNAIDS

“Esta reunião tem me ajudado a desenvolver minhas habilidades de escuta à medida em que me calei – o que é algo incomum – para ouvir diretamente dos adolescentes suas idéias e aspirações para o All In”.

  • Alan Smith, Federação Internacional de Planejamento Familiar.